Clássico da paz! Sobram elogios na organização

Foto: Lucas Bolzan/DF Sports

Depois de um 2017 conturbado, quando o clássico entre Gama e Brasiliense terminou em pancadaria e confusão generalizada, no estádio Bezerrão, a expectativa para o confronto entre os times na atual temporada era altíssima. De um lado, os verdadeiros torcedores preocupados e esperançosos de que neste ano seria diferente. De outro, dirigentes preocupados em não escrever mais uma história negativa no nosso futebol.

Entre eles? A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), comandada pelo Coronel Back (Chefe do Departamento Operacional da Polícia Militar do Distrito Federal), e a Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF), que trataram o jogo com a importância e o respeito necessários, garantindo assim uma linda festa para quem foi ao Estádio Nacional de Brasília – Mané Garrincha.

Esquema montado com antecedência

O Plano de Segurança da PMDF foi apresentado dias antes do clássico, juntamente com o esquema de vigilância no interior do estádio. Homens dos diferentes setores da PMDF, como ROTAMPATAMO e do BPTRAN, estariam atentos à arena, ao lado de seguranças particulares para garantir a segurança de quem estivesse presente.

Nas primeiras horas do dia do jogo, quem passava do lado de fora do estádio já notava a movimentação da PMDF, trabalhando para que tudo estivesse organizado e, à medida que a partida se aproximava, a ostensividade aumentava. Aos poucos, grades e tapumes de metal foram colocados dentro e fora do Mané Garrincha, separando assim as duas torcidas e evitando um confronto nos arredores do local da partida.

Preocupação com as torcidas organizadas

Responsáveis diretas pelas brigas em oportunidades anteriores, as torcidas organizadas dos dois clubes foram chamadas na manhã desta sexta-feira (dia do jogo) para uma conversa com a PMDF. No encontro, ficou assegurado que ambas seriam escoltadas até a entrada no estádio. A torcida do Gama, por exemplo, veio pelo lado da rodoviária do Plano Piloto e de lá subiu juntamente com a escolta da Polícia Militar.

Pelo lado do Brasiliense, um membro da torcida organizada relatou que não houve nenhum problema com a escolta e a revista. Segundo ele, que já tem anos de torcida, foi um dos melhores clássicos no sentido de segurança.

Dentro do estádio, a princípio as torcidas estariam separadas pelos anéis do Mané Garrincha. A torcida do Gama ficaria no anel superior e a do Brasiliense, consequentemente, no inferior. Porém, na mesma reunião da sexta-feira de manhã, a PM-DF permitiu que ambas ficassem no anel inferior do estádio, separadas por espaços vazios e tapumes de metal. Com a promessa de que as torcidas se comportariam, o jogo transcorreu sem maiores problemas e com todos os mais de 3 mil presentes no anel inferior do estádio.

As torcidas, com raras exceções, se comportaram dentro do estádio. Foto: Lucas Bolzan/DF Sports

Cartolas e torcedores elogiam o trabalho da PMDF e da organização

Ao final do jogo, dirigentes envolvidos no duelo falaram ao DF Sports sobre as impressões que tiveram do clássico e elogiaram muito o esquema montado pela PMDF. Weber Magalhães, presidente da Sociedade Esportiva do Gama, disse que o saldo foi positivo. “Quero agradecer primeiramente à federação, que manteve uma postura firme e lutou para que a partida acontecesse na data prevista, trabalhando duro pra isso. E não posso deixar de elogiar a equipe de segurança e a Polícia Militar, que deram todo o suporte e toda a condição para que a partida acontecesse da melhor maneira possível”, analisou o presidente alviverde.

Diretor de futebol do Brasiliense, Paulo Henrique Lorenzo também exaltou a segurança da partida: “O principal é a segurança. Quase todo clássico estava tendo confusão. Mas, graças a Deus, dessa vez não tivemos nada dentro e também nenhum relato de confusão do lado de fora e o jogo foi excelente dentro de campo também”, comentou.

Quem também se manifestou foi o presidente da Federação de FFDF, Daniel Vasconcelos. “O balanço do jogo foi positivo. Temos que agradecer a Deus e ao empenho de todos os envolvidos para que tudo transcorresse da melhor forma. Ao Governador e a todos os seus coordenados, inclusive ao secretário do Governo de Brasília, Apolinário Rebelo, aos presidentes dos dois times… Fizemos tudo em conjunto. Para que as coisas dessem certo. É preciso trabalhar em união e foi isso o que aconteceu aqui hoje. E em campo, tivemos um grande jogo, o que só engrandece o nosso futebol”, completou o presidente.

Márcio Coutinho, diretor de futebol da FFDF, corroborou com a opinião dos demais colegas dirigentes. “Primeiramente foi um espetáculo bacana. As torcidas se comportaram como devem. E é isso que a gente espera. Agora é torcer para que o campeonato aconteça da melhor maneira possível, sem violência, para que as famílias venham acompanhar”, explicitou.

A reportagem do DF Sports ouviu também alguns torcedores que garantiram que tudo ocorreu da melhor maneira possível. Thiago Queiroz, morador de Taguatinga, garantiu que tudo saiu como o esperado por quem vai ao estádio apenas para assistir o futebol. “Dentro foi super tranquilo. A entradas das torcidas ocorreu sem maiores problemas, tudo dentro do previsto. Aqui no Mané Garrincha, se for feito direitinho, não tem como dar errado”, comentou.

Outro que também exaltou o trabalho da organização do evento foi Rafael Oliveira, morador da Ceilândia. “Vim ao estádio achando que iria acontecer alguma confusão, mas eles separaram bem as torcidas. Colocaram grades, tapumes e isolaram as mesmas. Na hora de sair, também foi tudo normal, sem nenhum incidente. Acho que os clássicos deveriam ser sempre no Mané Garrincha, pois facilita muito mais na questão da segurança”, completou o torcedor do Brasiliense, feliz após a vitória.

Para que haja um novo clássico em 2018, as duas equipes precisam avançar e se cruzar no mata-mata, já que o Gama não disputa o Campeonato Brasileiro da Série D neste ano. De qualquer forma, em caso de novo jogo, o DF Sports e todos aqueles que querem o crescimento do esporte na capital do país, desejam que tudo transcorra como na noite de ontem, para o bem do futebol local.

Por Pedro Breganholi

1 Comentário

  1. renata peres gomes disse:

    Os elogios foram dados a pessoas erradas pois os organizadores do jogo foram o time mandante e os administradores do Estadio Mané Garrincha que por sinal são bem experientes no assunto segurança, a participação do Sr ilustre presidente da Federação foi apenas como figura ilustrativa já que como disse o Sr Weber “Quero agradecer primeiramente à federação, que manteve uma postura firme e lutou para que a partida acontecesse na data prevista, trabalhando duro pra isso.`´`deixando bem claro com essas palavras que, o que fez foi apenas ceder a pressão do Gama imaginando que a preocupação do Brasiliense era com as ausências do Sucuri e do Radamés e não com a segurança, perderam mesmo assim. talvez se fosse marcado para outra data poderia ser diferente mesmo com os dois.
    Graças ao time mandante, administradores do estádio e a PM foram elaborados um plano de segurança em tempo hábil, dando o resultado maravilhoso digno de elogios. Pena que temos aproveitadores que querem aparecer já que o resultado foi positivo. duvido que se tivesse algum problema iriam querer dar entrevista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *