Com show dentro e fora de quadra, Brasil vence Japão de virada por 3 a 2

junho 5, 2022 0 Por Admin

/* inline tdc_css att */ .tdi_17{ text-align:left !important; position:relative; } /* custom css */ .tdb_single_content{ margin-bottom: 0; *zoom: 1; }.tdb_single_content:before, .tdb_single_content:after{ display: table; content: ”; line-height: 0; }.tdb_single_content:after{ clear: both; }.tdb_single_content .tdb-block-inner > *:not(.wp-block-quote):not(.alignwide):not(.alignfull.wp-block-cover.has-parallax):not(.td-a-ad){ margin-left: auto; margin-right: auto; }.tdb_single_content a{ pointer-events: auto; }.tdb_single_content .td-spot-id-top_ad .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Top Ad’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-inline_ad0 .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Inline Ad 1’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-inline_ad1 .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Inline Ad 2’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-inline_ad2 .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Inline Ad 3’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-bottom_ad .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Bottom Ad’ !important; }.tdb_single_content .id_top_ad, .tdb_single_content .id_bottom_ad{ clear: both; margin-bottom: 21px; text-align: center; }.tdb_single_content .id_top_ad img, .tdb_single_content .id_bottom_ad img{ margin-bottom: 0; }.tdb_single_content .id_top_ad .adsbygoogle, .tdb_single_content .id_bottom_ad .adsbygoogle{ position: relative; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center{ margin-bottom: 15px; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left img, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right img, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center img{ margin-bottom: 0; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center{ text-align: center; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center img{ margin-right: auto; margin-left: auto; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left{ float: left; margin-top: 9px; margin-right: 21px; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right{ float: right; margin-top: 6px; margin-left: 21px; }.tdb_single_content .tdc-a-ad .tdc-placeholder-title{ width: 300px; height: 250px; }.tdb_single_content .tdc-a-ad .tdc-placeholder-title:before{ position: absolute; top: 50%; -webkit-transform: translateY(-50%); transform: translateY(-50%); margin: auto; display: table; width: 100%; }.tdb_single_content .tdb-block-inner.td-fix-index{ word-break: break-word; }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center { margin: 0 auto 26px auto; } }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left { margin-right: 0; } }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right { margin-left: 0; } }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .td-a-ad { float: none; text-align: center; } .tdb_single_content .td-a-ad img { margin-right: auto; margin-left: auto; } .tdb_single_content .tdc-a-ad { float: none; } }@media print { .single .td-header-template-wrap, .single .td-footer-template-wrap, .single .td_block_wrap:not(.tdb_breadcrumbs):not(.tdb_single_categories):not(.tdb-single-title):not(.tdb_single_author):not(.tdb_single_date ):not(.tdb_single_comments_count ):not(.tdb_single_post_views):not(.tdb_single_featured_image):not(.tdb_single_content) { display: none; } .single.td-animation-stack-type0 .post img { opacity: 1 !important; } } .tdi_17_rand_style > .td-element-style-before { content:” !important; width:100% !important; height:100% !important; position:absolute !important; top:0 !important; left:0 !important; display:block !important; z-index:0 !important; background-position:left top !important; background-size:cover !important; } – Continua após a publicidade –

Neste domingo (5/6), aconteceu no Ginásio Sesi, em Taguatinga, a última partida da seleção masculina de vôlei antes da primeira etapa da Liga das Nações, que acontecerá em Brasília. A equipe do Brasil enfrentou novamente a seleção japonesa, mesmo duelo que ocorreu há quatro dias, neste mesmo local. Na ocasião, o Brasil acabou sendo derrotado por 3 a 0.

Porém, o time brasileiro colocou força máxima desta vez. Atletas como, Lucarelli, Lucão e o levantador Bruninho que não estiveram no último jogo, voltaram para a quadra e colocaram um ritmo totalmente diferente no jogo. O resultado não poderia ser diferente: vitória canarinho por 3 a 2, parciais de 25/20, 21/25 23/25, 25/22 e 15/12. Foco e confiança para a estreia da Liga das Nações.

Jogo contou também com presenças ilustres de astros campeões da primeira medalha de ouro olímpico em Barcelona. Geovani, Paulão, Marcelo Negrão, Pampa, Janelson, Carlão e Maurício estiveram presentes na linda festa feita em Taguatinga.

Foto: Wander Roberto/CBV – Continua após a publicidade –

O JOGO

Com o Ginásio Sesi lotado, o primeiro set do Brasil começou de maneira avassaladora, com Bruninho distribuindo o jogo para as pontas e para o centro de maneira espetacula. Só restava a bola no chão da quadra adversária. A cada ponto marcado, a vibração do levantador e capitão Bruninho, levantava mais a moral da equipe brasileira para o restante do set. Vitória no primeiro set por 25 a 20, com amplo domínio brasileiro, do início ao fim.

Em um set marcado por reviravoltas, o segundo se iniciou de maneira diferente, com um Japão mais concentrado e um Brasil de, certa forma, mais relaxado. Esse passividade no início do set fez com que a equipe oriental criasse uma vantagem de três pontos, contudo, a equipe brasileira se recuperou, e na sequência, conseguiu passar à frente no placar.

Porém, após uma parada técnica do Japão, a equipe voltou a quadra com sede de vitória, e com fortes ataques, e alguns erros forçados brasileiros, os japoneses abriram para 15 a 11. Com uma bela vantagem na reta final do set, bastou apenas para a equipe asiática administrar o resultado e finalizar o set em 25 a 21.

O terceiro set começou muito complicado para o Brasil. A equipe brasileira parece ter sentido a derrota no set anterior e, demorou para se encontrar no jogo. Enquanto a equipe japonesa virava às bolas, o Brasil não encontrava o seu melhor ritmo de jogo. Nesse momento a derrota parecia clara, tendo em vista que o Japão liderava o placar com cinco pontos. A partir daí, a torcida brasileira sentiu o momento e não parava de apoiar. Entretando, a recuperação brasileira veio tarde demais, mais um set para os japoneses, 25/23.

Foto: Wander Robert/CBV

De longe, o quarto set foi o mais disputado da partida. O set foi definido ponto a ponto, do início ao fim. Com um Brasil pressionado e com lampejos do início do jogo, onde tudo que tentava dava certo, o Japão sentiu a pressão. Melhor para a seleção canarinho, que no final do set, conseguiu se desvencilhar do jogo truncado e finalizar o set de maneira incrível por 25/22, com um show da torcida.

O Brasil foi para o tie-break sem Lucão e Lucarelli, poupados para a estreia da Liga das Nações, marcada para a próxima quarta-feira (8/6), contra a Austrália, no Ginásio Nilson Nelson, às 21h. Assim como no set anterior, o equilíbrio prevaleceu e o placar permaneceu igualado até só final da partida. Nesse momento o forte bloqueio brasileiro prevaleceu e a tão sonhada vantagem no placar veio. A ansiedade em fechar o resultado, fez com que erros forçados acontecessem, mas nada evitaria a vitória do Brasil neste domingo, e com maestria Alan virou a última bola do jogo: fim de set, 15/13.

– Publicidade –