Karen, goleira do Minas Brasília, fala sobre o orgulho de ser LGBTQIA+

junho 29, 2022 0 Por Admin

/* inline tdc_css att */ .tdi_17{ text-align:left !important; position:relative; } /* custom css */ .tdb_single_content{ margin-bottom: 0; *zoom: 1; }.tdb_single_content:before, .tdb_single_content:after{ display: table; content: ”; line-height: 0; }.tdb_single_content:after{ clear: both; }.tdb_single_content .tdb-block-inner > *:not(.wp-block-quote):not(.alignwide):not(.alignfull.wp-block-cover.has-parallax):not(.td-a-ad){ margin-left: auto; margin-right: auto; }.tdb_single_content a{ pointer-events: auto; }.tdb_single_content .td-spot-id-top_ad .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Top Ad’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-inline_ad0 .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Inline Ad 1’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-inline_ad1 .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Inline Ad 2’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-inline_ad2 .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Inline Ad 3’ !important; }.tdb_single_content .td-spot-id-bottom_ad .tdc-placeholder-title:before{ content: ‘Article Bottom Ad’ !important; }.tdb_single_content .id_top_ad, .tdb_single_content .id_bottom_ad{ clear: both; margin-bottom: 21px; text-align: center; }.tdb_single_content .id_top_ad img, .tdb_single_content .id_bottom_ad img{ margin-bottom: 0; }.tdb_single_content .id_top_ad .adsbygoogle, .tdb_single_content .id_bottom_ad .adsbygoogle{ position: relative; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center{ margin-bottom: 15px; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left img, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right img, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center img{ margin-bottom: 0; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center{ text-align: center; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center img{ margin-right: auto; margin-left: auto; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left{ float: left; margin-top: 9px; margin-right: 21px; }.tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right{ float: right; margin-top: 6px; margin-left: 21px; }.tdb_single_content .tdc-a-ad .tdc-placeholder-title{ width: 300px; height: 250px; }.tdb_single_content .tdc-a-ad .tdc-placeholder-title:before{ position: absolute; top: 50%; -webkit-transform: translateY(-50%); transform: translateY(-50%); margin: auto; display: table; width: 100%; }.tdb_single_content .tdb-block-inner.td-fix-index{ word-break: break-word; }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right, .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-center { margin: 0 auto 26px auto; } }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-left { margin-right: 0; } }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .id_ad_content-horiz-right { margin-left: 0; } }@media (max-width: 767px) { .tdb_single_content .td-a-ad { float: none; text-align: center; } .tdb_single_content .td-a-ad img { margin-right: auto; margin-left: auto; } .tdb_single_content .tdc-a-ad { float: none; } }@media print { .single .td-header-template-wrap, .single .td-footer-template-wrap, .single .td_block_wrap:not(.tdb_breadcrumbs):not(.tdb_single_categories):not(.tdb-single-title):not(.tdb_single_author):not(.tdb_single_date ):not(.tdb_single_comments_count ):not(.tdb_single_post_views):not(.tdb_single_featured_image):not(.tdb_single_content) { display: none; } .single.td-animation-stack-type0 .post img { opacity: 1 !important; } } .tdi_17_rand_style > .td-element-style-before { content:” !important; width:100% !important; height:100% !important; position:absolute !important; top:0 !important; left:0 !important; display:block !important; z-index:0 !important; background-position:left top !important; background-size:cover !important; } – Continua após a publicidade –

Por Bruno Henrique de Moura e Maurício Carvalho

Quem nunca ouviu o termo GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes)? Em meio ao preconceito, a era digital e direitos conquistados às duras penas, uma nova sigla, muito mais abrangente e inclusiva surgiu: LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgênero, Queer, Intersexo e Assexual). No dia 28 de junho é celebrado o orgulho de todo esse movimento, que significa não só a liberdade de escolha de uma orientação sexual, mas, principalmente, incita o amor e o respeito acima de qualquer coisa.

Além da intolerância sexual, há quem diga que futebol não é lugar de mulher. Imagine ter que lidar com ambos os preconceitos? Karen Xavier Hipólito, goleira do Minas Brasília, tem 29 anos e é lésbica. A atleta publica com frequência às várias demonstrações de amor à sua parceira em suas redes sociais. A arqueira do Minas já presenciou ponderações, no mínimo, preconceituosas.

– Continua após a publicidade –

“Comigo em específico não, mas já vivenciei episódios dentro de clubes que chamaram a atenção, como: relacionamento entre atletas é proibido, cabelos curtos serão dispensadas, roupas masculinas estão proibidas, porém, o uniforme masculino era bem-vindo (risos). Então, quando se vive em um mundo cheio de preconceito e julgamentos, é fácil identificar quando você está sendo observado, pelo seu jeito de se vestir, agir e principalmente com quem você está”, declarou Karen.

A jogadora de futebol também conviveu com o preconceito em sua família, contudo, de forma descontraída, ela deixa claro que isso faz parte do passado. “Eu mesmo, quebrei diversos preconceitos dentro da minha família, e gradualmente fui mostrando que independente de eu gostar do mesmo gênero, minha conduta como pessoa não mudaria e que brincadeiras e convivência no mesmo ambiente, seria respeitada. E eles foram entendendo e hoje tenho um ambiente mega agradável de se viver: hoje eles me protegem com unhas e dentes, (risos)”, declarou.

O poder em se assumir

Redes Sociais

Recentemente, o ex jogador do Brasília Basquete, Jefferson Campos assumiu publicamente sua homossexualidade, mesmo caso do atleta Richarlyson, ex São Paulo, que somente agora, longe dos gramados, se declarou bissexual. Karen comentou a importância do atleta, assim como qualquer outro cidadão poder falar de sua orientação sexual abertamente.

“Olha, essa data representa nossa luta diária, nossa busca pela igualdade e respeito, além de mostrar para o mundo que o amor tem que prevalecer, primeiro, pois amar não é pecado, pecado é viver escondido com medo do que possam pensar sobre nós, porém, a verdade é que só queremos ser felizes da maneira que nos sentimos bem”.

“Como atleta, é sempre um tabu a se quebrar, pois, temos nossa vida exposta a todo momento, então todo cuidado é essencial, entretanto, ver alguns atletas assumindo quem realmente são e do que gostam, tem sido libertador, pois por muito tempo ficamos escondidos no famoso “dentro do armário”, com pavor do que iam pensar, falar e agir, hoje às pessoas começaram a entender que independente da nossa sexualidade, somos seres humanos e só queremos ser livres, sem julgamentos ou com medo do que possam fazer conosco”.

“Aos poucos a sociedade está percebendo que esse preconceito é pura vaidade e briga de ego. Ter empatia e respeito é o mínimo que uma pessoa pode ter com o próximo, pois todos vivemos nossa luta diária”. Afirmou Karen.

Gratidão ao Minas e recado especial de Karen

Recentemente, Karen foi convocada para a Seleção Brasileira de futebol feminino, um sonho para qualquer atleta atuante no futebol profissional e agradeceu ao Minas por todo o suporte. ”Eu tive essa oportunidade de vestir a amarelinha e, isso aconteceu graças ao Minas Brasilia e ao preparador Gabriel Ribeiro, que acreditaram no meu trabalho e me deram ferramentas para alcançar esse objetivo”.

A goleira deixou um recado especial para quem tem vergonha, ou muita das vezes, medo em assumir sua orientação sexual.

“Olha, eu demorei muito para me assumir, até então, eu vivia dentro de uma bolha, pois tinha medo de como às pessoas iriam reagir, se iriam me aceitar e se eu teria emprego, pois infelizmente tinha clubes que não aceitavam. Mas, graças aos meus pais que são meus pilares, eles me acolheram, cuidaram de mim e me disseram que nada diferiria, pois não importava o gênero pelo qual eu gostava e sim a pessoa pelo, qual eu me tornei, que quem realmente gostasse de mim, iria me aceitar do jeito que sou e isso foi o diferencial na minha vida, foi o momento em que me libertei, onde eu vi que poderia ser eu mesmo dentro e fora de casa”.

“Então, o que eu posso dizer para essas pessoas que pensam em se assumir e tem medo é que: não é fácil! Terão julgamentos e pessoas virando às costas, porém, será libertador ser você mesmo e poder viver a vida da maneira que você escolheu. Então se tiver medo, vai com medo mesmo, pois o tempo passa e não podemos perder tempo supondo que seremos julgados, pois, de qualquer forma seremos. Então viva, seja feliz e observe quem poderá estar contigo nesse momento, pois toda ajuda é bem-vinda” Declarou a arqueira.

As Minas (como são conhecidas) e equipe de Karen, fizeram uma publicação nas redes sociais, assim como outras equipes candangas.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por MINAS BRASÍLIA FF (@minasbrasiliaff)

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Sociedade Esportiva do Gama (@segamaoficial)

Redes Sociais/Brasiliense Redes Sociais/Sobradinho feminino – Publicidade –